Início Destaques Síntese Geral da 20ª Assembleia Nacional da PO

Síntese Geral da 20ª Assembleia Nacional da PO

505
3

Síntese Geral da 20ª Assembleia Nacional da PO

11 a 13 de março – modo virtual

Nos dias 11 a 13 de março, a PO realizou sua 20ª Assembleia Nacional. Desta vez, de um modo muito peculiar aos novos tempos – o virtual. Apesar dos desafios do acesso à internet, da qualidade e do tempo dedicado à frente das telas de celular ou computadores, foi um acontecimento importante e marcante pelo “jeito PO de ser”.

Processo preparatório

Desde setembro de 2021 iniciou a preparação que passou por etapas de grupos de base, dioceses, estados, região até nacional. Um questionário disponibilizado pela Coordenação Nacional serviu como base de reflexão sobre os diversos níveis. Envolveu a avaliação das ações e do contexto territorial onde a PO está inserida nas bases.

 Participação e representação

Participaram da assembleia representantes de 34 dioceses, sendo 15 da Região Sudeste, 10 dioceses da Região Nordeste, 8 da Região Sul e 1 da Região Norte. Com 68 delegadas e delegados, nem todos conseguiram participar efetivamente.

Primeiro dia – 11 de março

Foi dedicado para Análise de conjuntura, com apoio do Professor Marcio Pochmann, da UNICAMP e UFABC.

Antes da exposição do Marcio, foi apresentado pelo liberado nacional, respostas da análise da realidade feita pelas bases no processo preparatório.  

Marcio destacou que o trabalho “ainda segue como tema central”, diante de algumas interpretações que o coloca como segundo plano, ou teria perdido a centralidade na sociedade.

A Análise feita por Marcio Pochmann se encontra aqui na matéria da Síntese da primeira noite de Assembleia – 11 de março – Pastoral Operária (pastoraloperaria.org.br)

Segundo dia – 12 de março

Na manhã do segundo dia dedicou-se para ver a realidade da PO, dos grupos de base, das articulações estaduais, regionais e a coordenação nacional. Resultados vieram de um denso questionário enviado às bases.

Destacamos as principais constatações:

  • A PO realiza muitas atividades, bem como em parceria com outros movimentos e organizações.
  • As atividades online, mesmo com limites de acesso as tecnologias e a internet, garantiram o funcionamento da maioria dos grupos.
  • Sustentabilidade: a maioria dos grupos não tem plano de sustentabilidade.
  • As ferramentas digitais possibilitaram a ligação mais frequente entre as regiões. Contudo, muitas ações ficaram isoladas.
  • Reunir as pessoas já é alguma coisa. Os encontros virtuais tem limites. As relações são diferentes. São mais frias. Por outro lado, tivemos a oportunidade de conversar com e pessoas e grupos que em outra situação não seria possível.
  • Destaca a interação com a 6ª SSB (Semana Social Brasileira) e Economia Popular Solidária. A 6ª SSB tem o tema trabalho e chegamos a alguns lugares onde a PO não está presente.
  • Percebeu-se ainda mais as dificuldades na reflexão do tema “trabalho” na igreja. Pouca aproximação dos regionais da CNBB com o mundo do trabalho. Como avançar um pouco mais? Como fazemos para ter um pouco mais desse apoio da Igreja?

Na parte da tarde, teve assessoria da biblista e religiosa Ir Tea Frigerio, que falou sobre Igreja e mundo do trabalho. Tea destacou três pontos a seguir:

O primeiro ponto que está contida no conto de Jacó, do livro Gênesis, 29-31: tudo aquilo que está em função da vida é trabalho. A história é apresentada como Jacó, toma consciência e liberta-se, da condição de explorado. É possível ver na figura de Jacó, os imigrantes, os refugiados da Ucrânia, os moradores de rua, tantas pessoas que chegam de um lugar para outro por causa da guerra, das questões climáticas, das ações de governos tecnocratas. Chegam fragilizados. Facilmente estão à mercê. O trabalho se torna mercadoria e um instrumento para dobrar o poder dos poderosos. 

Jacó consegue se libertar quando se articula com as esposas e os servos. Quando ele percebe que o trabalho de cuidado com os filhos e os servos tem valor. Ele cria uma consciência de classe. Não é o seu trabalho de pastor que tem valor, mas o das mulheres de cuidar da tenda, de buscar a água, de amamentar, etc. Tudo isso é um trabalho e é digno. Uma pessoa isolada é fragilizada.

No conto, chama a atenção a dignidade do trabalho. Todas as atividades em função da vida é trabalho.

O segundo ponto é a da integralidade. Francisco denuncia o paradigma tecnocrático. Por exemplo, invadir as terras agrícolas para obter os fertilizantes para a agricultura.

Deus não cria do nada. É a harmonia entre a Terra e o Céu. Harmonia entre a vida que brota da terra. Se nós fomos criados a imagem divina não é para dominar e subjugar. É pra cultivar a presença divina.

O trabalho é o processo de energia criativa para manter a vida. É divino. Diferente de emprego. O trabalho é para o bem viver. O trabalho é para conviver.

O terceiro ponto é a necessidade da renda básica universal, porque o Papa Francisco diz que todo o ser humano tem direito ao que é necessário para a vida[1].

No Evangelho de Mateus tem a parábola do dono da vinha e dos talentos. Muitas vezes se lê equivocadamente a parábola dos talentos, porque ela remete a ação do banqueiro. O banqueiro empresta dinheiro para quem gera mais dinheiro. Aquele que não faz isso, não serve ao sistema, e é tido como preguiçoso. Ao contrário, ele se negou a entrar no sistema explorador. 

Terceiro dia – 13 de março

A manhã desse dia foi dedicada aos trabalhos de grupos a partir da pergunta: Com base no que vimos da realidade da PO e do mundo do trabalho, interpelados pela fundamentação bíblica e teológica, pelos nossos limites e potencialidades, quais devem ser as 3 prioridades para a PO hoje?

Após muitas reflexões em 4 grupos simultâneos, cada grupo indicou prioridades, das quais a plenária geral definiu as 3 prioridades da ação da PO no próximo triênio.

Prioridades da PO para o triênio

  • Formação – além de ser um dos eixos centrais da PO, se confirmou como a prioridade mais forte (por todos os grupos). A formação apesar de ser ampla, ela envolve a questão central na PO: entender a realidade (mundo do trabalho) para intervir na realidade (defesa do trabalho e dos trabalhadores, contra o sistema explorador, luta por direitos, salário digno, saúde e segurança, dentre outros temas que envolve a classe trabalhadora, como gênero, política, igreja, teologia e mística do trabalho).
  • Grupos de base – este é o modo como se faz PO nas bases, lugar de revisão e partilha da vida, formação e organização da ação. No entanto, necessita refletir e rediscutir sua metodologia diante dos desafios de hoje.
  • Economia Popular Solidária – diante da realidade do desemprego, subemprego e desalento, a economia solidaria, motivada pela reflexão da economia de Francisco e Clara, requer atenção especial da PO, em meio aos tantos grupos de EPS que a PO acompanha nas bases. Não somente como fonte única de vida, mas como discussão do modelo econômico.

Foram destaque também como propostas a serem priorizadas, ou ganhar mais atenção: a sustentabilidade, desde a base até o nível nacional; e a comunicação, para dentro e para fora da PO, de modo a melhorar em todos os aspectos.

Acréscimo nos Eixos

Diante da necessidade de ampliar o trabalho da Pastoral e renovação do quadro de lideranças, acrescentou-se o eixo Ampliação/novos grupos entre os demais eixos (formação e organização, articulação e integração, comunicação, sustentabilidade).

Coordenação (2022-2024)

A nova coordenação nacional da PO ficou assim constituída.

Liberação – Marina Oliveira (ES) e Marcos Moura (CE).

Articulação Regional – Alessandra Lazzari (Sul), Gilmar Ortiz (Sudeste), Lucia Ângelo (Nordeste), Luzarina Varela (Norte).

Bispo Referencial – Dom Reginaldo Andrietta (Diocese de Jales-SP).

Assessor Eclesiástico – A definir

Posteriormente, a coordenação nacional encaminhara as definições da assembleia, juntamente com as bases nos estados e dioceses. Nesse mês e no próximo haverá transição dos trabalhos da coordenação.

Destaca-se a presença de Dom Valdeci (presidente da Comissão Episcopal Pastoral Para Ação Sociotransformadora-CNBB) na tarde do terceiro dia até o término e Dom Reginaldo (referencial da CNBB para a Pastoral Operária) que acompanhou integralmente a assembleia.

[1] Mais informações sobre isso está no Livro “Vamos sonhar juntos”, Papa Francisco.

AnteriorCampanha da Fraternidade 2022 e a educação
Próximo“No novo capitalismo, falta-nos uma reflexão sobre o longo prazo”. Entrevista com Xavier Ragot

3 COMENTÁRIOS

  1. Muito bom dia a todas e todos que participaram da assembleia da p o parabéns por cada um que deu o seu melhor e especialmente a equipes de organização nossos parabéns

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui